new icn messageflickr-free-ic3d pan white
Casa da M√ļsica - Porto - Portugal ūüáĶūüáĻ | by Portuguese_eyes
Back to photostream

Casa da M√ļsica - Porto - Portugal ūüáĶūüáĻ

Decorria o ano de 1999, quando se deu in√≠cio √† constru√ß√£o da ¬ęCasa da M√ļsica¬Ľ, contemplada no plano de actividades pensadas √† √©poca para a produ√ß√£o do importante evento cultural "Porto 2001-Capital Europeia da Cultura", com vista √† renova√ß√£o de algumas art√©rias da cidade, ao mesmo tempo que √† cria√ß√£o de novos espa√ßos culturais e de lazer, imprimindo √† urbe um car√°cter mais contempor√Ęneo, dotando-a de equipamentos suficientemente atractivos para chamar a si novos p√ļblicos e novos eventos de projec√ß√£o, quer nacional, quer, sobretudo, internacional, integrando-os nos respectivos circuitos mundiais.

O projecto foi, ent√£o, entregue ao conhecido arquitecto holand√™s Rem Koolhaas (1944-) que iniciou, no entanto, a sua carreira profissional como jornalista e argumentista, tendo estudado Arquitectura em Londres e em Nova Iorque, fundando, em 1975, o mundialmente conhecido "Office for Metropolitan Architecture", justamente o gabinete do qual saiu o projecto vencedor do concurso internacional para edifica√ß√£o da futura "Casa da M√ļsica". Trata-se, ademais, de um arquitecto sobejamente premiado al√©m-fronteiras, a exemplo do prestigiado "Pr√©mio Pritzker" de Arquitectura, anualmente atribu√≠do pela Funda√ß√£o Hyatt (sediada em Chicago), com o qual foi distinguido em 2000, constituindo, na verdade, o mais importante pr√©mio de arquitectura do mundo, sendo, por isso, denominado com alguma frequ√™ncia de "Pr√©mio Nobel da Arquitectura". Mas foi tamb√©m o caso do "Pr√©mio de Arquitectura da Uni√£o Europeia Mies van der Rohe", obtido j√° em Abril de 2005, pelo edif√≠cio da Embaixada da Holanda em Berlim.

Projecto inovador, por excel√™ncia, perfeitamente enquadrado na ousadia e aparente radicalismo aos quais j√° nos habituou o arquitecto holand√™s no seu tra√ßado, dificultando, em termos te√≥ricos e, em especial, no que se refere √† Hist√≥ria da Arquitectura, a sua cataloga√ß√£o ou, melhor, a sua inser√ß√£o num qualquer movimento ou agrupamento, e depois de um longo per√≠odo de constru√ß√£o, que se arrastou ao longo de seis anos, n√£o sem ter sido envolto na mais densa pol√©mica, a "Casa da M√ļsica" foi dotada de duas salas de espect√°culo, os "Pequeno" e "Grande" Audit√≥rios, com capacidade para, respectivamente, 300 e 1238 lugares.

Relembrando, quantas vezes, o seu alçado exterior a estrutura de um diamante "facetado" em nove pisos, a edificação ostenta grandes áreas envidraçadas, acentuando-lhe a referida comparação. Uma singularidade que permitirá a penetração de maior luz no seu interior, suavizando o seu aspecto e interligando, aparentemente que seja, os espaços e as vivências diárias registadas por detrás dos seus acessos e em seu redor, numa proximidade que se pretende crescente com a cidade que a envolve e onde se fixou, e para a qual desloca permanentemente o olhar, visionando privilegiadamente alguns dos seus recantos, espraiando-se até ao rio Douro.

Beneficiando de uma assinal√°vel √°rea destinada √†s mais diversas actividades directa e/ou indirectamente conectadas √† miss√£o para a qual foi encomendada e projectada, com especial destaque para projectos de educa√ß√£o musical, distribu√≠da ao longo de nove pisos - como nos casos da "Sala Ciberm√ļsica" e da "Sala VIP" (esta √ļltima revestida a azulejos portugueses e destinada √† realiza√ß√£o das mais diversas actividades, desde, entre outras, confer√™ncias de imprensa, at√© col√≥quios, passando por recep√ß√Ķes oficiais) - articulados por v√°rios foyers, o edif√≠cio possui espa√ßos especialmente concebidos para a oferta de outros produtos, conquanto relacionados com as tem√°ticas pensadas para o seu interior, indo ao encontro de p√ļblicos que s√£o e que se pretendem cada vez mais exigentes. Ser√£o estes os casos das zonas comerciais, designadamente daquelas onde se encontrar√£o, √† venda, discos, livros, partituras, v√≠deos e o mais diversificado merchandising. E ser√° esse mesmo p√ļblico que encontrar√°, ao n√≠vel da cobertura, um restaurante provido de esplanada voltada para a Rotunda da Boavista.

[AMartins] www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-im...

353 views
2 faves
0 comments
Taken on August 10, 2019