new icn messageflickr-free-ic3d pan white
View allAll Photos Tagged Nudez

Imóvel a luz sobre esta hora

O silêncio ilegível e puro

Em que a branca nudez aflora

É inteiro o instante em que a

Vida se demora

Liso o tempo

Límpida a eternidade!

(Ruth Ministro)

Há muito que o sol tinha sumido no horizonte

Um casal caminhava pela praia,

suas pegadas iam ficando na areia molhada...

Para se beijar sempre faziam uma parada,

deixando a areia mais fortemente marcada,

testemunhando beijos cada vez mais prolongados...

As estrelas ja estavam começando a enfeitar o céu

A lua caminhava no mar brincando de esconde ..esconde,

se afundava , depois aparecia por entre as ondas...

e cada vez, brilhava mais...

Sempre aquele amor iluminando,

beijos quando a lua se escondia,

abraços quando ela aparecia,

pelos amantes, ia a lua sempre procurando...

Eram duas luas, uma no céu, outra no mar...

O casal de mãos dadas se olhavam e sorriam

da safadeza da lua, e dos encantos do mar...

Sempre aproveitando a brincadeira lunar,

não queriam saber de parar de amar...

Às vezeds entrando na fria água do mar,

para o calor de seu amor esfriar...

As pegadas continuavam , pés descalços

haviam passado por aquele lugar...

Estava fundamente marcada a areia,

onde pararam para apaixonadamente se beijar...

Dava até pra sentir uma doce inveja,

não sei se da ternura da lua

se banhando no mar..

Ou se da felicidade daquele casal,

ou ainda, daquelas pegadas na areia

que nem as ondas conseguiam apagar.

A lua, eterna cúmplice dos amantes,

sugeria mais amor a cada vez

estimulando-os a vestir-se de nudez...

Numa ausência mais prolongada,

seguiu-se uma caricia mais apaixonada,

ficando então a areia marcada

pelos corpos entrelaçados,

em seus carinhos apaixonados..

 

Ota

 

Obrigada pelas visitas =)

"Já não minto. Já não componho o perfil. Estou aqui diante de vós, nu e desfigurado. Porque a nudez desfigura sempre."

A chama da vela

e ela ali

tão vazia

mas é que era feita de matéria morta

incerta poesia

e sua nudez nunca dizia nada

exceto da lembrança vaga

de inúmeras realidades transeuntes

mas e daí?

Dôra Araújo

  

Carmen - Bizet

 

"Andar de carrossel às 6 da manhã pode mudar a tua vida

sem mais nem menos, apanhar-te de forma algo desprevenida,

pôr tudo em perspectiva e apontar aquela tal saida

que sempre esteve lá mas por alguma passou despercebida

é como ouvir o summer madness pela primeira vez

o deslumbramento de apreciar quem se gosta na sua total nudez

o primeiro olhar de um recém-nascido que te tira do sério

um rebelde para lutar contra o império, ou um janado? (...)" Carrossel, de Da Weasel

= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =

Francisco Aragão :copyright: 2014. All Rights Reserved.

Use without permission is illegal.

 

Attention please !

If you are interested in my photos, they are available for sale. Please contact me by email: aragaofrancisco@gmail.com. Do not use without permission.

Many images are available for license on Getty Images

= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =

 

English

The Cathedral of the Holy Cross and Saint Eulalia (Catalan: Catedral de la Santa Creu i Santa Eulàlia, Spanish: Catedral de la Santa Cruz y Santa Eulalia), also known as Barcelona Cathedral, is the Gothic cathedral and seat of the Archbishop of Barcelona, Spain. The cathedral was constructed from the 13th to 15th centuries, with the principal work done in the 14th century. The cloister, which encloses the Well of the Geese (Font de les Oques) was completed in 1448. In the late 19th century, the neo-Gothic façade was constructed over the nondescript exterior that was common to Catalan churches. The roof is notable for its gargoyles, featuring a wide range of animals, both domestic and mythical.

It is a hall church, vaulted over five aisles, the outer two divided into chapels. The transept is truncated. The east end is a chevet of nine radiating chapels connected by an ambulatory. The high altar is raised, allowing a clear view into the crypt.

The cathedral is dedicated to Eulalia of Barcelona, co-patron saint of Barcelona, a young virgin who, according to Catholic tradition, suffered martyrdom during Roman times in the city. One story says that she was exposed naked in the public square and a miraculous snowfall in mid-spring covered her nudity. The enraged Romans put her into a barrel with knives stuck into it and rolled it down a street (according to tradition, the one now called Baixada de Santa Eulàlia). The body of Saint Eulalia is entombed in the cathedral's crypt.

The choir stalls retain the coats-of-arms of the knights of the Order of the Golden Fleece. In his first trip into Spain, Charles, the future Holy Roman Emperor, selected Barcelona as the site of a chapter of his Order. The king had arrived for his investiture as Count of Barcelona, and the city, as a Mediterranean port, offered the closest communication with other far-flung Habsburg dominions, while the large proportions of the cathedral would accommodate required grand ceremonies. In 1518 the Order's herald, Thomas Isaac, and its treasurer, Jean Micault, were commissioned to prepare the sanctuary for the first sitting of the chapter in 1519. Juan de Borgonya executed the painted decoration of the sanctuary.

One side chapel is dedicated to "Christ of Lepanto", and contains a cross from a ship that fought at the Battle of Lepanto (1571). Catalan legend states that during the battle, the corpus suddenly and miraculously shifted to the right to avoid being hit by a cannonball, a miraculous sign from God that the Ottomans would be defeated. The chapel of Christ of Lepanto also contains the shrine and sepulchre of Saint Olegarius, who was a Bishop of Barcelona and an Archbishop of Tarragona.

In addition to Saints Eulàlia and Olegarius, the cathedral contains the tombs of Saint Raymond of Penyafort, Count Ramon Berenguer I and his third wife Almodis de la Marche, and bishops Berenguer de Palou II, Salvador Casañas y Pagés, and Arnau de Gurb, who is buried in the Chapel of Santa Llúcia, which he had constructed.

The cathedral has a secluded Gothic cloister where 13 white geese are kept, the number explained by the assertion that Eulalia was 13 when she was martyred.

A program of cleaning and restoration of the cathedral was carried out from 1968-72.

 

Catalan

La Catedral de la Santa Creu i Santa Eulàlia és la catedral gòtica de Barcelona, seu de l'arquebisbat de Barcelona. La catedral es va construir durant els segles XIII al XV al mateix lloc on hi havia hagut una catedral romànica, i encara abans una de paleocristiana. La façana d'estil neogòtic, és moderna (segle XIX). L'edifici és Bé d'Interès Cultural i, des del 2 de novembre de 1929, Monument Històric Artístic Nacional.

La catedral està dedicada a la Santa Creu, la seva advocació principal, i a Santa Eulàlia, patrona de Barcelona, una jove verge que, d'acord amb la tradició cristiana, va sofrir el martiri durant l'època romana. La dedicació del temple a la Santa Creu, molt poc habitual, és una de les més antigues del món cristià i probablement es remunta a mitjan segle VII. La dedicació a Santa Eulàlia es coneix des del 877, quan el bisbe Frodoí va localitzar les restes de la santa i les va traslladar solemnement a la catedral.

 

Spanish

La Catedral de la Santa Cruz y Santa Eulalia (también llamada, en lugar de catedral, Seo, o Seu en catalán) es la catedral gótica de Barcelona, sede del Arzobispado de Barcelona, en Cataluña, España.

La catedral actual se construyó durante los siglos XIII a XV sobre la antigua catedral románica, edificada a su vez sobre una iglesia de la época visigoda a la que precedió una basílica paleocristiana, cuyos restos pueden verse en el subsuelo, en el Museo de Historia de la Ciudad. La finalización de la imponente fachada en el mismo estilo, sin embargo, es mucho más moderna (siglo XIX). El edificio es Bien de Interés Cultural y, desde el 2 de noviembre de 1929, Monumento Histórico-Artístico Nacional.

Está dedicada a la Santa Cruz desde el año 599 y se añadió a partir del año 877 a Santa Eulalia, patrona de la ciudad de Barcelona (actualmente es más celebrada como tal la Virgen de la Merced que, estrictamente, es patrona de la diócesis de Barcelona, pero no de la ciudad), una joven doncella que, de acuerdo con la tradición católica, sufrió el martirio durante la época romana. Una de tales historias cuenta que fue expuesta desnuda en el foro de la ciudad y que milagrosamente, a mitad de primavera, cayó una nevada que cubrió su desnudez. Las enfurecidas autoridades romanas la metieron en un barril con vidrios rotos, clavos y cuchillos clavados en él y lanzaron cuesta abajo el barril (de acuerdo con la tradición, se trataría de la calle Baixada de Santa Eulàlia, Cuesta de Santa Eulalia). Y así, hasta trece martirios diferentes, uno por cada año de edad de la santa. Finalmente, fue crucificada en una cruz en forma de aspa, que es el emblema de la catedral y la diócesis, así como el atributo iconográfico de la santa.

La catedral cuenta con un claustro gótico en el que viven trece ocas blancas (se cuenta que Eulalia tenía trece años cuando fue ejecutada y que pastoreaba ocas en su predio de Sarrià, cerca de la ciudad).

 

Portuguese

A Catedral de Barcelona é a catedral católica de Barcelona, em Espanha. A catedral, em estilo gótico, foi construída do século XIII ao XV sobre a antiga catedral românica. Esta, por sua vez, foi edificada sobre uma igreja da época visigoda. A esta, precedeu uma basílica paleocristã, cujos restos podem ser vistos no subsolo, no Museu de História da Cidade. A fachada de estilo neogótico, entretanto, é muito mais moderna (século XIX).

Está dedicada à Santa Cruz (a cruz em que Jesus foi executado) e a santa Eulália, patrona da cidade de Barcelona, uma jovem donzela que, de acordo com a tradição católica, sofreu o martírio durante a época romana. A dedicação a santa Eulália data de 877, quando o bispo Frodoí localizou os restos da santa e os levou solenemente para a catedral. Uma das histórias relativas à santa conta que ela foi exposta nua no fórum da cidade e que, milagrosamente, pois já era primavera, caiu uma nevasca que cobriu sua nudez. As enfurecidas autoridades romanas a teriam, então, metido em um barril com vidros quebrados e cravos e lançado o barril costa abaixo (de acordo com a tradição, trata-se da rua Baixada de Santa Eulália, ou Costa de Santa Eulália).

 

Wikipedia

"Já não minto. Já não componho o perfil. Estou aqui diante de vós, nu e desfigurado. Porque a nudez desfigura sempre."

Não facilite com a palavra amor.

Não a jogue no espaço, bolha de sabão.

Não se inebrie com o seu engalanado som.

Não a empregue sem razão acima de toda razão (e é raro).

Não brinque, não experimente, não cometa a loucura sem remissão...

Saiba mais de espalhar aos quatro ventos do mundo essa palavra

que é toda sigilo e nudez, perfeição e exílio na Terra.

Não a pronuncie.

 

Carlos Drummond de Andrade

...................

 

Zé Gabriel e Fafá no JB.

My Son and his nanny at the Botanical Garden

 

Boa semana a todos, queridos e queridas.

Nice week for you all.

A nudez de maneira peculiar, sem a revelação da identidade humana. Referência: Edward Weston.

Para maiores informações acesse: www.thvfotografia.com e deixe uma mensagem pra nós ou envie um email para contato@thvfotografia.com ;)

Essa foto é para um experimento.

 

Fiquei chocada (e revoltada) que a foto mais vista da minha galeria é a do Ouro Nude (quase 8000 views no momento, e sempre aumentando).

O esmalte não é tão bonito pra ter tantas visualizações assim, batendo até algumas fotos mais antigas. Aliás, ele NEM É bonito, ahuehau.

 

E não foi a primeira vez que me disseram que uma foto de nude era muito visualizada, a Carol já havia comentado da foto do Citrino Nude dela também apresentar a mesma ocorrência.

 

Aí que conversando com Miréu ela surgiu com a teoria de que a foto só era tão visualizada porque uns taradinhos devem pesquisar por "nude" na busca do Flickr e acabam caindo por aqui, devido ao nome do esmalte.

 

Fiz a busca e o primeiro resultado é... uma comparação de esmaltes nudes, ahuahueha.

 

Agora vou testar a teoria com um nude "verdadeiro", hauhauahhuaeau.

 

. . . .

"Quando um coração que está cansado de sofrer

Encontra um coração também cansado de sofrer

É tempo de se pensar

Que o amor pode de repente chegar"

- Tom Jobim e Dolores Duran: "Caminhos Cruzados": www.youtube.com/watch?v=peytx6oX__c&feature

.

.

.

"Já fui de esconder o que sentia, e sofri com isso. Hoje não escondo nada do que sinto e penso, e às vezes também sofro com isso, mas ao menos não compactuo mais com um tipo de silêncio nocivo: o silêncio que tortura o outro, que confunde, o silêncio a fim de manter o poder num relacionamento.

 

Assisti ao filme Mentiras Sinceras com uma pontinha de decepção - os comentários haviam sido ótimos, porém a contenção inglesa do filme me irritou um pouco. Porém, nos momentos finais, uma cena aparentemente simples redimiu minha frustração. Embaixo de um guarda-chuva, numa noite fria e molhada, um homem diz para uma mulher o que ela sempre precisou ouvir. E eu pensei: como é fácil libertar alguém de seus fantasmas e, libertando-a, abrir uma possibilidade de tê-la de volta, mais inteira.

 

Falar o que se sente é considerado uma fraqueza. Ao sermos absolutamente sinceros, a vulnerabilidade se instala. Perde-se o mistério que nos veste tão bem, ficamos nus. E não é este tipo de nudez que nos atrai.

 

Se a verdade pode parecer perturbadora para quem fala, é extremamente libertadora para quem ouve. É como se uma mão gigantesca varresse num segundo todas as nossas dúvidas. Finalmente, se sabe.

 

Mas sabe-se o quê? O que todos nós, no fundo, queremos saber: se somos amados.

 

Tão banal, não?

 

E no entanto esta banalidade é fomentadora das maiores carências, de traumas que nos aleijam, nos paralisam e nos afastam das pessoas que nos são mais caras. Por que a dificuldade de dizer para alguém o quanto ela é - ou foi - importante? Dizer não como recurso de sedução, mas como um ato de generosidade, dizer sem esperar nada em troca. Dizer, simplesmente.

 

A maioria das relações - entre amantes, entre pais e filhos, e mesmo entre amigos - se ampara em mentiras parciais e verdades pela metade. Pode-se passar anos ao lado de alguém falando coisas inteligentíssimas, citando poemas, esbanjando presença de espírito, sem alcançar a delicadeza de uma declaração genuína e libertadora: dar ao outro uma certeza e, com a certeza, a liberdade. Parece que só conseguiremos manter as pessoas ao nosso lado se elas não souberem tudo. Ou, ao menos, se não souberem o essencial. E assim, através da manipulação, a relação passa a ficar doentia, inquieta, frágil. Em vez de uma vida a dois, passa-se a ter uma sobrevida a dois.

 

Deixar o outro inseguro é uma maneira de prendê-lo a nós - e este "a nós" inspira um providencial duplo sentido. Mesmo que ele tente se libertar, estará amarrado aos pontos de interrogação que colecionou. Somos sádicos e avaros ao economizar nossos "eu te perdôo", "eu te compreendo", "eu te aceito como és" e o nosso mais profundo "eu te amo" - não o "eu te amo" dito às pressas no final de uma ligação telefônica, por força do hábito, e sim o "eu te amo" que significa: "seja feliz da maneira que você escolher, meu sentimento permanecerá o mesmo".

 

Libertar uma pessoa pode levar menos de um minuto. Oprimí-la é trabalho para uma vida. Mais que as mentiras, o silêncio é que é a verdadeira arma letal das relações humanas."

- Martha Medeiros, "FALAR", em seu livro "Doidas e Santas", Porto Alegre, RS: L&PM, 2011.

.

.

.

"Expressar sentimentos com clareza sem o erro de apresentá-los tão atrapalhadamente que as pessoas se assustem com isso; considere a situação uma verdadeira obra de arte. Nada menos do que isso você precisa."

- O. Quiroga

 

meu corpo vivo balança

na dança

sob os olhares de vênus

(encantada)

enquanto cativo a inocência

da esperança

que nenhuma nudez

será castigada.

 

Website | FB Page

O Seu Santo Nome

"Não facilite com a palavra amor, não a jogue no espaço, bolha de sabão. Não se inebrie com seu engalanado som. Não brinque, não experimente, não cometa a loucura sem remissão de jogar aos quatro ventos essa palavra que é toda sigilo e nudez, perfeição e exílio na terra. Não a pronuncie."

Modelo: Gabriela Bittencourt

Fotografia: Raphael Costa

Edição: Raphael Costa

Produção: Raphael Costa

Local: Maricá - RJ

 

Curta minha página: www.facebook.com/FotografiaRaphaelCosta

Volto após dias de censura nesse flickr! Lastimável tratar "nudez artística" como se ela fosse algo agressivo.

 

Copyright © Ariela Bueno. All rights reserved. REPRODUÇÃO PROIBIDA - ® Todos os direitos reservados.

O fole dourado bombeia o enxofre

Pelos canos do órgão na catedral

A cera e o ponto de fusão da carne

O fogo navega no intestino de ouro

A força de um coração parabólico.

MAGIA DO MAR

 

Fotografia - João Araújo

Assistente de fotografia - Faelo Ribeiro

Tratamento - Paulo Arrivabene

Concepção - Megastudio

Direção de Arte - Godiva Art Studio

Styling - Carlos Faria

Beleza - Eduardo Hyde

Modelos - Cris Noronha e Dan Wainer

Estilo - Equipe Magia do Mar

Cliente: Renata Mahaz

Direção-Foto: Luís Filipe

Co-Direção: Débora Dias

Modelo: Danylla

Make/Hair: Edson Câmara

Stylist: Camila Ferza

MAGIA DO MAR

 

Fotografia - João Araújo

Assistente de fotografia - Faelo Ribeiro

Tratamento - Paulo Arrivabene

Concepção - Megastudio

Direção de Arte - Godiva Art Studio

Styling - Carlos Faria

Beleza - Eduardo Hyde

Modelos - Cris Noronha e Dan Wainer

Estilo - Equipe Magia do Mar

Pés de garotos (irmãos), que moram no interior do Parque Nacional do Catimbau - Sertão do Moxotó - em Pernambuco.

M.Abreu ® | Copyright.

taylor dean, muse management, harlem, 2011

Adorei a foto.

O que acham?

 

Foto by: MHK-annai

"Em verdade vos digo que chegará o dia em que a nudez dos olhos será mais excitante do que a do sexo."

******************************************

 

"Ana Clara contou que tinha um namorado que endoidava quando ela tirava os cílios postiços, a cena do biquini não tinha a menor importância mas assim que começava a tirar os cílios, era a glória. Os olhos nus. Em verdade vos digo que chegará o dia em que a nudez dos olhos será mais excitante do que a do sexo. "

(As Meninas, Lygia Fagundes Telles)

 

Cenas da vida urbana. Líbia na Feira da Lua, em Goiânia. Ela irá casar-se com um rapaz do Golfo Pérsico. Ela é protestante. Ele, mulçumano. Líbia não irá mais fazer exposição de sua figura. Decerto por isso as manequins de vitrine já lhe causem rubores de pudor. :)

   

M.Abreu ® | Copyright.

(original in slide) - Kashmir

 

Folhas de flor-de-lotus.

A tradição budista diz que, quando Siddhartha (mais tarde seria Buda, que significa o 'Iluminado') tocou o solo e deu os seus primeiros sete passos, sete flores de lótus cresceram. Imagem que consolida a ideia de que cada passo do Bodhisattva é um acto de expansão espiritual.

Entre as culturas do sub-continente indiano, os deuses representam-se em pé ou sentados sobre a flor.

No Japão, é o símbolo da Espiritualidade. Na China simboliza a Pureza.

Nasce em chão de lama e água, mostrando as suas folhas quando atinge a superfície, onde só então mostra suas luminosas e imaculadas pétalas que têm a propriedade de repelir microrganismos e poeiras. É também a única planta que regula o seu calor interno, mantendo-o por volta dos 35º C., a mesma temperatura do corpo humano. O botão desta flor tem a forma de um coração, e suas pétalas não caiem quando a flor morre, apenas secam. Por esta razão, para os Chineses, o passado, o presente e o futuro estão simbolizados, respectivamente, pela flor seca, pela flor aberta e pela semente que irá germinar.

.........................................

 

Tu deitavas-me sobre uma flor de lótus azul

e só nós existíamos fora do vento.

 

Nossos beijos flutuavam no lago

como folhas

ou bolhas

com o brilho das madrugadas.

 

E nasciam pétalas

para outro lótus que se fez.

 

Depois

nossos ardentes dentes de romper as veias

dormiam na matriz

a salvar nossa nudez.

 

- Alda Cravo Al-Saude

   

© Leandro Pena - All rights reserved. Todos os direitos reservados.

Site | Blog | Fan Page | 500px | Behance

Maçãs não são todas iguais,

Nem seus sabores divinais,

Existem Maçãs com gosto de nada,

Maçãs sem carinho, Maçã mal amada.

 

Mas existem Maçãs de sabor suculento,

Que brilham no Sol, com o balanço do vento,

De um vermelho escarlate, de profunda beleza,

Dádiva de Deus para com a natureza.

 

A Maçã é partida em duas metades,

Coração partido com tamanha maldade,

E a sensibilidade torna-se nudez,

Mostrando a injúria da insensatez.

 

Mas as sementes sorriem ao mundo,

São as dores que se escondiam no fundo,

Que podem agora surgir no amanhã,

Porque uma semente um dia se torna Maçã.

 

Sou fã de maçã e vcs? Uma ótima noite p/ vcs ..bjus =)

O MATRIMÔNIO DO CÉU E DO INFERNO

William Blake

 

O Argumento

 

Rintrah ruge e chacoalha seus fogos

No AR opresso;

Nuvens famintas escoam para o abismo.

 

Antes dócil e em perigosa senda

O justo seguiu seu curso

Ao longo do vale DA morte

 

Rosas são plantadas onde espinhos crescem

E no urzal estéril

Cantam as abelhas do mel.

 

Então a perigosa senda foi plantada.

E em um Rio e uma fonte

Em cada penhasco e tumba,

E sobre ossos descorados

Vermelho barro foi trazido.

 

Até que o vilão deixou as sendas do conforto

Para caminhar por perigosas sendas

E conduzir o justo a regiões estéreis.

 

Agora a sorrateira serpente

Se move em meiga humildade

E o justo vocifera nos desertos

Onde leões perambulam.

 

Rintrah ruge e chacoalha seus fogos

No AR opresso

Nuvens famintas escoam para o abismo."

 

Como um novo céu é começado, e são passados trinta e três anos de seu

advento, o Eterno Inferno revive. E eis: Swedenborg*** é o anjo sentado sobre a

tumba: seus escritos as roupas de linho dobradas. Agora é o domínio de Edom

e o retorno de Adão ao Paraíso. Ver Isaías, capítulos 34 e 35.

Sem contrários não há Progresso. Atração e Repulsa, Razão e Energia,

Amor e Ódio são necessários à existência humana.

Destes contrários provém o que OS religiosos chamam de Bem e Mal. Bem é o

passivo que obedece à Razão. Mal é o ativo emanando DA Energia.

Bem é Céu. Mal é Inferno.

 

A voz do Demônio

 

Todas as Bíblias ou códigos sagrados têm sido as causas dos seguintes erros

:

 

1.Que o homem tem dois princípios reais de existência: ou sejam: um Corpo

e uma Alma.

2.Que a Energia, chamada Mal, é apenas do Corpo; e que a Razão, chamada

Bem, é apenas DA Alma.

3.Que Deus atormentará o Homem pela Eternidade por seguir suas Energias.

Mas OS seguintes contrários a estes são verdadeiros:

1.O Homem não tem um corpo distinto de sua Alma, pois isso chamado Corpo

é uma porção DA Alma discernida pelos cinco sentidos, as principais entradas

DA Alma nessa idade.

2.Energia é a única vida, e provém do Corpo; e Razão é o limite ou

circunferência externa DA Energia.

3.Energia é Eterno Deleite.

 

Aqueles que reprimem o desejo assim o fazem porque o deles é fraco o

suficiente para ser reprimido; e o repressor ou Razão ursupa-lhe o lugar e

governa o sem-vontade.

E, sendo reprimido, ele aos poucos torna-se passivo, até ser apenas a sombra

do desejo.

A história disto está escrita no Paraíso Perdido, e o Governante ou Razão é

chamado Messias.

E o Arcanjo Original, ou possuidor do comando das hostes celestiais, é

chamado Demônio ou Satã, e suas crianças são chamadas Pecado e Morte.

Mas no Livro de Jó o Messias de Milton chama-se Satã.

Pois esta história foi adotada por ambos OS lados.

Realmente pareceu à Razão que o desejo tinha sido banido.

Mas a versão do Diabo é que o Messias caiu e formou um céu com o que roubara

do Abismo.

Isso é mostrado no Evangelho, em que ele ora ao Pai para enviar-lhe o

confortador ou Desejo, de forma que a Razão possa ter idéias sobre as quais

se fundamentar: O Jeová DA Bíblia não sendo outro senão aquele que habita o

fogo flamejante.

Saibam que após a morte de Cristo ele tornou-se Jeová.

Mas, em Milton, o Pai é Destino, o Filho quociente dos Cinco Sentidos, e o

Espírito Santo Vácuo!

Nota: a razão pela qual Milton escreveu acorrentado quando escreveu sobre

Anjos e Deus, e em liberdade, quando sobre Demônios e Inferno, é porque era

um verdadeiro poeta, e DA parte do Diabo, sem sabê-lo.

 

Uma Visão Memorável

 

Enquanto caminhava por entre OS fogos do inferno, encantado com OS prazeres

do Gênio, que para OS Anjos parecem tormento e insanidade, coletei alguns de

seus Provérbios, pensando que como OS dizeres usados em uma nação delineiam

seu caráter, assim OS Provérbios do Inferno mostram a natureza DA sabedoria

infernal melhor que qualquer descrição de edifícios ou vestuário.

Ao voltar para Casa: no abismo dos cincos sentidos, onde uma encosta

íngreme e plana desaprova o mundo atual, vi um poderoso demônio envolto em

nuvens negras, pairando sobre as bordas do rochedo: com fogos corrosivos

escreveu a seguinte sentença, agora percebida pela mente dos homens e por

else lida na terra:

 

Como sabeis que cada pássaro que corta OS ares seja um imenso mundo de

deleite, fechado por vossos cinco sentidos?

 

Provérbios do Inferno

 

No plantio aprende, na colheita ensina, no inverno desfruta.

Leva teu carro e teu arado por sobre OS ossos dos mortos.

A estrada do excesso conduz ao palácio DA sabedoria

A Prudência é uma Rica, feia e velha dama cortejada pela Incapacidade.

Aquele que deseja e não age, cultiva a peste.

O verme cortado perdoa o arado.

Afunda no rio aquele que ama a água.

Um tolo não vê a mesma árvore que o sábio vê.

Aquele cuja face não lampeja, jamais se tornará uma estrela.

A Eternidade namora os frutos do tempo.

A abelha laboriosa não tem tempo para entrevos.

As horas de estupidez são medidas pelo relógio; as de sabedoria, porém,

relógio algum pode medir.

Toda comida sadia é conseguida sem rede ou armadilha.

Traz número, peso e medida num ano de privação.

Nenhum pássaro voa muito alto, se voa com as próprias asas.

Um cadáver não revida a agressões.

O mais sublime ato é realizar um outro que o supere.

Se o tolo persistisse em sua tolice, sábio se tornaria.

A tolice é o manto da malandragem.

A vergonha é o manto do orgulho.

Prisões são construídas com pedras da lei, bordéis com tijolos de religião.

O orgulho do pavão é a glória de Deus.

A luxúria do bode é a generosidade de Deus.

A ira do leão é a sabedoria de Deus.

A nudez da mulher é a obra de Deus.

Excesso de tristeza ri. Excesso de alegria chora.

O rugir dos leões, o uivar dos lobos, a fúria do mar tempestuoso, e a espada

destruidora, são porções de Eternidade, grandiosas demais para o olho do

homem.

A raposa condena a armadilha, não a si mesma.

Alegrias fecundam. Tristezas fazem germinar.

Que o homem vista a pele do leão e a mulher a da ovelha.

O pássaro um ninho, a aranha uma teia, o homem amizade.

O tolo mesquinho e o risonho, e o tolo sisudo e tristonho, devem ser ambos

julgados sábios, para que sirvam de exemplo.

O que agora é provado, foi antes apenas imaginado.

O rato, o camundongo, a raposa e coelho espreitam as raízes; o leão, o

tigre, o cavalo e o elefante espreitam os frutos.

A cisterna contém, a fonte transborda.

Um pensamento preenche a imensidão.

Sempre esteja pronto para dizer o que pensa, e um sujeito desprezível o

evitará.

Qualquer coisa em que se possa acreditar é uma imagem da verdade.

A águia nunca perdeu tanto tempo como como quando se submeteu a aprender com

a gralha.

A raposa provê a si mesma, mas Deus provê ao leão.

Pensa de manhã, age ao meio-dia, come de tarde, dorme de noite.

Aquele que sofreu a tua imposição, esse te conhece.

Assim como o arado segue as palavras, Deus recompensa as preces.

Os tigres da ira são mais sábios que os cavalos da instrução.

Espera veneno da água parada.

Nunca se sabe o que é suficiente enquanto não se sabe o que é mais do que

suficiente.

Ouve a crítica do tolo! É um direito régio!

Os olhos de fogo, as narinas de ar, a boca de água, a barba de terra.

O fraco em coragem é forte em astúcia.

A macieira jamais pergunta a faia como crescer, nem o leão ao cavalo como

apanhar sua presa.

O que recebe agradecido obtém colheita abundante.

Se outros não tivessem sido tolos, nós o seríamos.

A alma de doce deleite jamais deve ser maculada.

Quando vês uma águia, vês uma porção de Gênio; levanta a cabeça!

Como a lagarta escolhe as mais belas folhas para por seus ovos, assim o

sacerdote amaldiçoa as mais belas alegrias.

Criar uma pequena flor é labor de anos.

Maldição tensiona, bênção relaxa.

O melhor vinho, o mais velho.

A melhor água, a mais nova.

Orações não aram! Louvores não colhem!

Alegrias não riem! Tristezas não choram!

A cabeça sublime, o coração Pathos, os genitais Beleza, mãos e pés Proporção

 

Como o ar para um pássaro e o mar para um peixe, assim é o desprezo para o

desprezível.

A gralha queria que tudo fosse negro, a coruja que tudo fosse branco.

Exuberância é Beleza.

Se o leão fosse aconselhado pela raposa, seria astuto.

O progresso constrói estradas retas, mas as estradas tortuosas sem Progresso

são estradas de Gênio.

Antes matar um bebê no berço que cuidar de desejos não realizados.

Onde o homem não está, a natureza é estéril.

A verdade nunca pode ser dita para que seja compreendida sem que nela se

possa acreditar.

Suficiente! Ou Demasiado.

 

Os antigos poetas animavam todos os objetos sensíveis com Deuses ou Gênios,

chamando-os por nomes e adornando-os com as propriedades das florestas, rios

montanhas, lagos, cidades, nações e tudo o que seus vastos e numerosos

sentidos podiam perceber.

E estudaram em particular o gênio de cada cidade e país, colocando-o sob sua

deidade mental;

até que um sistema foi formado, do qual alguns se aproveitaram, e

escravizaram o vulgo com o intento de criar ou abstrair as deidades mentais

de seus objetos: assim começou o Sacerdócio.

Escolhendo formas de adoração tiradas dos contos poéticos. E com o tempo,

pronunciaram que os deuses tinham ordenado tais coisas.

Assim o homem se esqueceu que todas as deidades residem no peito humano.

 

Uma Visão Memorável

 

Os profetas Isaías e Ezequiel jantaram comigo, e eu lhes perguntei como

ousavam tão redondamente afirmar que Deus lhes falara; e se não pensaram na

época que seriam mal-compreendidos, e assim, causa de imposição.

Isaías respondeu: "Eu não vi Deus algum, nem ouvi, numa percepção

orgânica finita; mas meus sentidos descobriram o infinito em todas coisas, e

como estivesse assim convencido, e ainda o estou, de que a voz da indignação

honesta é a voz de Deus, não me preocupei com as consequências, mas escrevi.

 

Então perguntei: "A firme convição de que uma coisa é assim, assim a

torna?"

Ele respondeu: "Todos os poetas assim o acreditam, e em eras de

imaginação esta firme convicção removeu montanhas; mas muitos não são

capazes de uma firme convicção de coisa alguma."

Então Ezequiel disse: "A filosofia do Oriente ensinou os primeiros

princípios de percepção humana: algumas nações mantiveram um princípio para

a origem, algumas outro: nós de Israel ensinamos que o Gênio Poético (como

vocês agora o chamam) foi o primeiro princípio e os outros meramente

derivados, e essa foi a causa de nosso desprezo pelos Sacerdotes e Filosófos

de outros países e de profetizarmos que se provaria afinal serem todos os

Deuses originados no nosso e serem tributários do Gênio Poético; foi isso

que nosso grande poeta, Rei David, desejou tão ardentemente e invoca tão

pateticamente, dizendo que com isso ele conquista inimigos e governa

reinados; e nós amamos tanto nosso Deus, que amaldiçoamos em seu nome todas

as divindades das nações vizinhas, e afirmamos terem elas se rebelado:

destas opiniões o vulgo veio a pensar que todas as nações seriam afinal

subjugadas pelos judeus."

"Isto", disse ele, "como toda firme convição, é fatal que aconteça; pois

todas as nações acreditam no código dos judeus e adoram o seu Deus, e pode

haver maior sujeição?"

Ouvi isso com algum espanto, e devo confessar, minha própria convicção.

Após o jantar, pedi a Isaías que favorecesse o mundo com suas obras

perdidas; ele disse que nenhuma de valor se perdera. Ezequiel disse o mesmo

das suas.

Também a Isaías o que o fazia caminhar nu e descalço durante três anos?

ele respondeu:

"O mesmo que nosso amigo Diógenes, o grego."

Perguntei então a Ezequiel por que comia lama e se deitava por tanto

tempo em seus lados direito e esquerdo? ele respondeu : "O desejo de

despertar outros homens para uma percepção do infinito: isto, as tribos

norte-americanas praticam, e é honesto aquele que resiste a seu gênio ou

consciência, visando apenas conforto ou gratificação presentes?"

 

A antiga tradição de que o mundo será consumido em fogo ao final de seis mil

anos é verdadeira, conforme ouvi no Inferno.

Pois o querubim com sua espada flamejante tem aqui ordens de deixar a

guarda da árvore da vida; e quando ele o fizer, toda a criação será

consumida e parecerá infinita e sagrada, enquanto agora parece finita e

corrupta.

Isto ocorrerá com um aperfeiçoamento do prazer sensual.

Mas primeiro a noção de que o homem tem corpo distinto de sua alma deve

ser banida.

Isto deverei fazê-lo imprimindo no método infernal, com corrosivos, que

no inferno são salutares e medicinais, solvendo superfícies aparentes, e

expondo o infinito que estava oculto.

Se as portas da percepção fossem limpas, tudo apareceria ao homem como é,

infinito.

Pois o homem fechou-se a si mesmo, até ver todas as coisas pelas

estreitas fendas de sua caverna.

 

Uma Visão Memorável

 

Estava numa tipografia do inferno, e vi o método pelo qual o conhecimento é

transmitido de geração a geração.

Na primeira câmara havia um Homem-Dragão, limpando a sujeira da boca de

uma caverna, em cujo interior, uns quantos Dragões escavavam.

Na segunda câmara havia uma Víbora envolvendo a rocha e a caverna, e

outras adornando-a com ouro, prata e pedras preciosas.

Na terceira câmara havia uma Águia com asas e plumas de ar: tornava o

interior da caverna infinito; ao redor estavam alguns Homens-Águia, que

construíam palácios nos imensos rochedos.

Na quarta câmara havia leões de fogo flamante, vagando furiosos e fundindo

os metais em vivos fluidos.

Na quinta câmara havia formas Inominadas que lançavam os metais espaço

adentro.

Lá eram recebidos por homens que ocupavam a sexta câmara, e ganhavam a

forma de livros, e eram arrumados em bibiliotecas.

 

Os Gigantes que formaram este mundo em sua existência sensual, e parecem

viver nele agora acorrentados, são na verdade as causas de sua vida e as

fontes de toda atividade; mas as correntes são a astúcia de mentes fracas e

domesticadas, que têm poder de resistir à Energia; como diz o provérbio, o

fraco em coragem é forte em astúcia.

Assim uma parte do ser é o Prolífico, a outra o Devorador: ao Devorador

lhe pareceu ter o Produtor em suas correntes; mas não é assim, ele apenas

toma porções de existência e as imagina o todo.

Mas o Prolífico deixaria de ser Prolífico, se o Devorador, como um mar,

não recebesse o excesso de seus prazeres.

Alguns dirão: "Não é somente Deus o Prolífico?" Eu respondo: "Deus só age

e é em seres existentes ou Homens."

Essas duas espécies de homens estão sempre sobre a terra, e devem ser

inimigos : quem tentar reconciliá-los busca destruir a existência.

A Religião é um esforço para reconciliar os dois.

Nota: Jesus Cristo não desejava uní-los, mas separá-los, como na parábola

das ovelhas e das cabras! E ele diz: "Eu não vim trazer a Paz, mas a Espada.

 

Messias ou Satã ou o Tentador era originalmente considerado um dos

Antediluvianos que são nossas Energias.

 

Uma Visão Memorável

 

Um Anjo veio para mim e disse: "Oh lamentável, tolo jovem! Oh horrível!

Pavoroso estado! Considera a ardente masmorra que estás preparando para ti

mesmo por toda a Eternidade, para a qual estás indo em tal carreira!"

 

Eu disse: "Talvez gostarias de mostrar-me meu Destino Eterno, e refletindo

juntos a respeito, veremos se o teu ou o meu é mais desejável."

Então, levou-me por um estábulo, e por uma igreja, e para o interior do

sepulcro da igreja, dentro do qual havia um moinho; através do moinho fomos,

e chegamos a uma caverna: pela caverna sinuosa adentro tateamos nosso

tedioso caminho, até que um vazio vasto como um céu rebaixado se mostrou a

nós, e nos seguramos nas raízes das árvores e pairamos sobre a imensidão;

mas eu disse: "se me permites, vamos entregar-nos a este vazio e ver se a

providência aí também se encontra: se não fores, eu irei." Mas ele

respondeu: Não seja presunçoso, jovem homem, mas já que aqui estamos,

contempla tua sina, que em breve aparecerá, quando as trevas tenham se

dissipado."

Permaneci, então, com ele, sentado sobre a raíz retorcida de um carvalho;

ele se mantinha suspenso por um cogumelo que pendia com a cabeça voltada

para o abismo.

Pouco a pouco contemplamos o abismo infinito, ardente como a fumaça de uma

cidade em chamas; atrás de nós, a uma imensa distância, estava o sol, negro,

mas brilhante; ao seu redor, trilhas ardentes nas quais se revolviam enormes

aranhas, rastejando atrás de suas presas que voavam, ou antes, nadavam no

abismo infinito, nas mais terríveis formas de animais nascidos da corrupção;

e o ar estava cheio deles, e parecia composto por eles: esses são os

demônios, e são chamados Poderes do ar. Perguntei então a meu companheiro

onde estava meu destino eterno? Ele disse: "entre as aranhas negras e as

brancas."

 

Mas agora, dentre as aranhas negras e brancas, uma nuvem e um fogo

irromperam e rolaram espaço adentro, enegrecendo tudo embaixo, de forma que

o baixo abismo ficou negro como um mar, e rolou com um terrível ruído;

abaixo de nós nada mais se via senão uma negra tempestade, até que, olhando

para leste, entre as nuvens e as ondas, avistamos uma catarata de sangue

mesclado com fogo e, a não muitas pedras de distância, emergiu e afundou de

novo a escamosa pele de uma monstruosa serpente; por fim, a leste, distante

aproximadamente três graus, surgiu a crista ardente sobre as ondas;

lentamente ela se elevou como uma cadeia de montanhas douradas, até

descobrirmos dois globos de fogo carmim, dos quais o mar se expandia em

nuvens de fumaça; e então vimos que era a cabeça de Leviatã; sua fronte

estava dividida em listras verde e púrpura como as da fronte de um tigre:

logo vimos sua boca e guelras rubras pendiam por sobre a espuma raivosa,

tingindo o negro abismo com raios de sangue, avançando em direção a nós com

toda a força de uma existência espiritual.

 

Meu amigo o Anjo galgou desde seu posto até o moinho: eu permaneci só, e

então não havia mais essa aparição, mas encontrei-me sentado em uma

agradável encosta à beira de um rio ao luar, ouvindo um harpista, que

cantava ao som de sua harpa; e seu tema era:

"O homem que nunca altera sua opinião é como água parada, e engendra

répteis da mente."

Mas eu me levantei e procurei o moinho, e lá encontrei meu Anjo, que,

surpreso, perguntou-me como escapei?

Eu respondi: "Tudo o que vimos deveu-se à tua metafísica; pois quando

fugiste, encontrei-me numa encosta ao luar ouvindo um harpista. Mas agora

que vimos meu destino eterno, devo mostrar-te o teu?" Ele riu de minha

proposta; mas eu, à força, subitamente tomei-o em meus braços, e voamos

noite adentro em direção a oeste, até sermos elevados acima da sombra da

terra; então me atirei com ele diretamente para dentro do corpo do sol; ali,

vesti-me de branco, e tomando em minha mão volumes de Swedenborg, deixei-me

cair da região gloriosa e passei todos os planetas até chegar a Saturno: lá

parei para descansar e então saltei para dentro do vácuo entre Saturno e as

estrelas fixas.

"Aqui", disse eu, "está teu destino, neste espaço, se de espaço pode ser

chamado". Logo avistamos a igreja, e levei-o até o altar e abri a bíblia e

ah! Era um poço profundo, para dentro do qual desci, guiando o Anjo à minha

frente: logo vimos sete casas de tijolos, em uma entramos; dentro, havia uns

quanto macacos, babuínos, e todos dessa espécie, acorrentados pela cintura,

arreganhando os dentes e agarrando-se uns aos outros, mas detidos pelo curto

alcance de suas correntes: no entanto, vi que eles às vezes tornavam-se

numerosos, e então os fracos eram pegos pelos fortes, e com dentes

arreganhados, primeiro copulavam com eles e então os devoravam,

arrancando-lhes primeiro um membro, depois outro, até que o corpo se

reduzisse a um tronco miserável: este, após mostrarem-lhe os dentes e

beijá-lo com aparente afeto, devoravam também; e aqui e ali vi um

saborosamente mordendo a carne de sua própria cauda; como o fedor nos

incomodasse a ambos terrivelmente, entramos no moinho, e em minha mão trazia

um esqueleto, que no moinho era a Analítica de Aristóteles.

Então o Anjo disse: "tua fantasia se impôs sobre mim, e deverias estar

envergonhado."

Eu respondi: "Nós nos impusemos um ao outro, e é perda de tempo conversar

contigo, cujas obras não passam de Analítica."

 

Oposição é verdadeira amizade.

 

Eu sempre achei que os anjos têm a vaidade de falar de si mesmos como os

únicos sábios; isto o fazem com uma confiante insolência, surgida do

raciocínio sistemático.

Assim Swedenborg se vangloria de que o que ele escreve é novo: embora seja

apenas um Sumário ou Índice de livros já publicados.

Um homem levou consigo um macaco para mostrá-lo, e por quê era um pouco

mais sábio que o macaco, envaideceu-se e julgou-se mais sábio que sete

homens. O mesmo ocorre com Swedenborg: ele mostra a estupidez das igrejas, e

expõe hipócritas, até imaginar que todos são religiosos e ele mesmo o único

na terra que jamais rompeu barreiras.

Agora ouçam um fato evidente: Swedenborg não escreveu uma só verdade nova.

Agora ouçam outro: ele escreveu todas as velhas falsidades.

E agora ouçam a razão. Ele conversava com Anjos, que são todos religiosos,

e não com Demônios, que odeiam todos religião, pois ele era incapaz dentro

de suas noções presunçosas.

Assim os escritos de Swedenborg são uma recapitulação de todas as opiniões

superficiais, e uma análise das mais sublimes , mas nada mais.

Ouçam agora outro fato evidente. Qualquer homem de talentos mecânicos pode

a partir dos escritos de Paracelso ou Jacob Boehme, produzir dez mil

volumes de igual valor aos de Swedenborg, e daqueles de Dante ou Shakespeare

um número infinito.

Mas que, ao fazê-lo, não o deixem dizer que sabe mais do que seu mestre,

pois ele apenas segura uma vela à luz do sol.

 

Uma Visão Memorável

 

Vi uma vez um Demônio numa flama de fogo, que se elevou diante de um Anjo

sentado numa nuvem, e o Demônio proferiu as seguintes palavras:

"A adoração de Deus é : Honrar seus dons em outros homens, cada um de

acordo com seu gênio, e amar mais os maiores homens: aqueles que invejam e

caluniam os grandes homens odeiam Deus, pois não há outro Deus."

O Anjo, ouvindo isso, tornou-se quase azul, mas, recompondo-se, ficou

amarelo, e finalmente branco, rosa, e sorrindo respondeu:

"Tu, idólatra! Não é Deus Uno? E não é ele visível em Jesus Cristo? e

Jesus Cristo não deu sua sanção à lei dos dez mandamentos? E não são todos

os outros homens tolos, pecadores e ninguéns?"

O Demônio respondeu: "Mói um tolo num pilão com trigo e ainda não se

conseguirá arrancar-lhe sua tolice: se Jesus Cristo é o maior dos homens,

deve-se amá-lo no mais alto grau; ouve agora como Ele deu Sua sanção à lei

dos dez mandamentos: não zombou ele do sabbath e assim do Deus do sabbath?

não matou aqueles que foram mortos por sua causa? não fez vista grossa à lei

da mulher pega em adultério? não roubou trabalho alheio pra se sustentar?

não manteve falso testemunho quando se recusou a fazer uma defesa diante de

Pilatos? não cobiçou ao pregar para seus discípulos, e pedir-lhes que

sacudissem a poeira de seus pés diante dos que se negavam a hospedá-los? Eu

te digo, nenhuma virtude pode existir sem a quebra desses dez mandamentos.

Jesus era todo virtude, e agia por impulso, não por regras."

Quando ele acabou de falar, observei o Anjo, que estendeu os braços,

envolvendo a flama de fogo, e foi consumido, e ascendeu como Elias.

Nota: esse Anjo, que agora se tornou um Demônio, é meu amigo íntimo. Nós

sempre lemos juntos a Bíblia, em seu sentido infernal ou diabólico, que o

mundo deverá ter, se se comportar bem.

Tenho sempre a Bíblia do Inferno, que o mundo há de ter, quer queira, quer

não.

 

Uma Lei para o Leão e o Boi é Opressão.

 

Uma Canção de Liberdade

 

1. A Eterna Fêmea grunhiu! foi ouvida por toda a Terra.

2. A costa de Albion está doente, silenciosa; fenecem os campos

americanos!

3. Sombras de Profecias tremem ao longo de lagos e rios, e murmuram através

do oceano: França, derruba a tua masmorra!

4. Dourada Espanha, estoura as barreiras da velha Roma!

5. Joga tuas chaves, ó Roma, abismo adentro despencando, mesmo até a

Eternidade despencando,

6. E chora.

7. Em sua mão trêmula ele tomou o terror recëm-nascido, uivando.

8. Naquelas infinitas montanhas de luz, agora confinadas pelo Oceano

Atlântico, o recém-nascido fogo deteve-se perante o rei estelar!

9. Embandeiradas com neves de fronte cinzenta e rostos trovejantes, as asas

ciumentas agitaram-se sobre o abismo.

10. A mão em forma de lança incinerou-se no ar; desatado estava o escudo;

adiante seguiu a mão do ciúme por entre os cabelos em fogo, e lançou a

maravilha recém-nascida através da noite estrelada.

11. O fogo, o fogo está caindo!

12. Olha para o alto! Olha, cidadão de Londres, alarga teu semblante! Ó

Judeu, deixa de contar ouro! retorna a teu óleo e teu vinho. Ó Africano!

negro Africano! (vai, pensamento alado, amplia o seu semblante.)

13. Os membros ardentes, cabelos flamejantes, lançados como o sol poente no

oceano ocidental.

14. Desperto de seu sono eterno, o antigo elemento urrando fugiu.

15. Para baixo, precipitando-se, batendo suas asas em vão, o rei ciumento;

seus conselheiros de cenho cinzento, guerreiros retumbantes, veteranos

encrespados, por entre elmos, escudos e carruagens, cavalos, elefantes,

estandartes, castelos, tipóias e rochas.

16. Caindo, precipitando-se, ruindo! enterrado em ruínas, nos refúgios de

Urthona.

17. Por toda a noite, por entre as ruínas; então, suas chamas sombrias,

apagadas, emergem em torno do melancólico rei.

18. Com trovão e fogo, conduzindo suas hostes estelares através do árido

deserto, ele promulga seus dez mandamentos, erguendo suas luminosas

pálpebras sobre o abismo, em profundo desânimo.

19. Onde o filho do fogo, em sua nuvem oriental, enquanto a manhã empluma

seu peito dourado,

20. Desprezando as nuvens escritas com maldições, esmaga reduzindo a pó a

lei de pedra, libertando os cavalos eternos dos refúgios da noite, gritando:

O IMPÉRIO CAÍU! E AGORA O LEÃO E O LOBO DEVEM PARAR.

 

Côro

 

Não permitam mais que os sacerdotes do corvo da Aurora, em negro mortal, com

áspera voz, amaldiçoem os filhos do prazer. Nem seus confrades aceitos - a

quem ele, tirano, chama de livres - marquem o limite ou construam o telhado.

Nem que a pálida luxúria religiosa chame aquela virgindade que deseja mas

não age!

 

Porquê tudo o que vive é Sagrado.

 

soundcloud.com/junyocosta/williamblake-matrimonio1

 

****he Marriage of Heaven and Hell William Blake

The following entry presents criticism of Blake's prophetic prose poem The Marriage of Heaven and Hell (1790-93). See also, Jerusalem: The Emanation of the Giant Albion Criticism.

 

INTRODUCTION

The Marriage of Heaven and Hell, started in 1790 but probably not completed until 1793, represents for many critics William Blake's finest achievement and certainly his most innovative work both thematically and stylistically. It not only broke with the past on many levels but was also an important first step in the articulation of Blake's philosophy and the creation of his new universe, both of which would be expanded in the writing that followed, particularly The First Book of Urizen (1794) and The Four Zoas (1796-1807?). The Marriage of Heaven and Hell defies easy interpretation just as it defies neat categorization as any one genre. Thus, commentary has focused as much on the structure of the text as on its influences and themes.

 

Biographical Information

Blake had established himself as an author and engraver during the previous decade and had produced the treatises There Is No Natural Religion and All Religions Are One around 1788 using his unique method of illuminated printing. Songs of Innocence and The Book of Thel followed the next year. Although his time-consuming process of engraving, printing, and hand-coloring each copy produced texts of extraordinary beauty, circulation was necessarily limited, which prevented Blake from achieving either the reputation or the income level his work properly merited. His early association with Emanuel Swedenborg's New Church—the extent of which is still debated—provided one of the most important influences on The Marriage of Heaven and Hell. Blake's disenchantment with the increasing rigidity of Swedenborg and his followers made them the primary targets for much of The Marriage's parody and satire. Meanwhile, his political philosophy took shape within a circle that included some of the leading radicals of the day, such as Joseph Priestley and Thomas Paine.

 

Major Themes

The Marriage of Heaven and Hell is a satiric attack on orthodoxy in general and on the Swedenborgians in particular, but it is also an extended description of the educational and developmental process by which the poet-prophet is created. In addition, it is a revolutionary prophecy, written against the historical backdrop of political upheaval in America and in France. The Marriage begins with a poem, "The Argument," in which Blake introduces his prophetic character Rintrah; it ends with another poem, "A Song of Liberty," in which Blake celebrates revolution and foresees a new age of political and religious freedom. Between these two poems is a series of prose doctrinal statements, each followed by a "Memorable Fancy," which comments on the preceding statement while parodying Swedenborg's "Memorable Relations" from the latter's Heaven and Hell. Throughout the work, Blake presents a series of contraries—Heaven and Hell, Good and Evil, Angel and Devil, Reason and Energy—but then appears to reverse the traditional values associated with each term, thus celebrating Energy, Evil, and even Satan himself. Most critics today reject such a reading as simplistic and insist that, rather than merely inverting the terms of the contraries, Blake was questioning both terms and exploring the limitations of each. The "Proverbs of Hell" section contains some of the most outrageous and most widely-quoted passages of the entire text, among them: "The road of excess leads to the palace of wisdom," "The tygers of wrath are wiser than the horses of instruction," and "Sooner murder an infant in its cradle than nurse unacted desires."

 

Critical Reception

The critical debate surrounding The Marriage of Heaven and Hell has been varied and heated over the last one hundred years and shows no sign of abating. Critics differ on the degree of irony Blake employed in some of his bolder statements, questioning when Blake is speaking ironically as the Devil and when he is speaking as himself. They disagree on whether Blake was an innovative revolutionary who mercilessly ridiculed dogmatic religion and rebelled against convention in both art and politics, or if he was merely one of many products of his revolutionary times.

 

Another area of intense critical debate involves the various influences on the author and, in turn, on the text. Swedenborg's Heaven and Hell is the most obvious source and target of The Marriage's satire and parody. Although Blake directs some barbs at Milton as well, critics seem to agree that their tone is one of gentle irony as opposed to the vicious ridicule he reserves for Swedenborg. Other critics have suggested the writings of Boehme and Paracelsus as inspirations for The Marriage, as well as Lavater's Aphorisms on Man, Spenser's The Faerie Queen, and Burke's Reflections on the Revolution in France. In terms of form, The Marriage has been called "structureless," but it has also been compared to "the A B A of the ternary form in music"; in this structure, the development of a first theme is followed by the development of a second theme. The work then returns to the first theme (or some variation of it). Others scholars have claimed that the poem draws on dialectic, on a well-established satiric tradition, on the elementary school primer, and on the chapbooks and political tracts of the time. Still other critics insist that it stands alone in its structure and that there has been nothing like it before or since.

Título Original: X-Men Origins: Wolverine

 

Hugh Jackman volta a interpretar o papel que fez dele um astro: uma feroz máquina de combate com incrível poder de cura, garras retráteis e fúria primitiva. Antecedendo os acontecimentos de X-MEN - O Filme, X-MEN ORIGINS: WOLVERINE revela o impressionante passado violento e romântico de Wolverine, com complicado relacionamento com Victor Creed, e o nefasto programa Arma X. Ao longo do filme, Wolverine encontra vários mutantes, tanto conhecidos como novos, incluindo aparições surpresa de lendas do universo do X-Men cuja participação na franquia é ansiosamente aguardada.

 

NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS

TEMA: Luta do Bem contra o Mal

CONTÉM: Crueldade, Mutilação, Assassinato e Nudez

 

Elenco: Hugh Jackman, Liev Schreiber, Ryan Reynolds, Danny Huston, Taylor Kitsch, Will. i. am, Tim Pocock, Troye Sivan, Tahyna Tozzi, Dominic Monaghan, Julia Blake, Max Cullen.

 

Direção: Gavin Hood

 

Gênero: Aventura, Ação

 

Duração: 107 min.

 

Distribuidora: Fox

MAGIA DO MAR

 

Fotografia - João Araújo

Assistente de fotografia - Faelo Ribeiro

Tratamento - Paulo Arrivabene

Concepção - Megastudio

Direção de Arte - Godiva Art Studio

Styling - Carlos Faria

Beleza - Eduardo Hyde

Modelos - Cris Noronha e Dan Wainer

Estilo - Equipe Magia do Mar

:copyright: Leandro Pena - All rights reserved. Todos os direitos reservados.

Site | Facebook | 500px | Behance | Instagram

Creio nas palavras

transparentes

que pertencem ao vento

ao sal

à latitude pura

 

Aqui

no meu reduto

entre ramos de ar

entre a cintilante indolência da água

creio no que nos une

em ondas vagas

apaixonadamente lentas

 

Aqui

eu pertenço

ao centro da nudez

como uma gota de água

ao rés do solo

na sua imediata e nua felicidade

  

Creio nas palavras | António Ramos Rosa

  

www.publico.pt/cultura/noticia/morreu-antonio-ramos-rosa-...

Bem-vindo ao admirável mundo das grávidas com atitude.

Fui excluída! =,(

 

Não faço ideia porque é que isto aconteceu...

 

Fiquei sem nada... Vão mandando convites dos contactos e dos grupos.

    

REGRAS:

 

Não faça upload de algo que não seja seu.

 

Não se esqueça das crianças.

 

Não mostre nudez no seu ícone de exibição.

 

Não faça upload de conteúdo ilegal ou proibido.

 

Não desabafe suas frustrações, use linguagem inadequada nem chateie os outros membros.

 

Não seja sinistro.

Você conhece o tipo. Não seja esse tipo.

 

Não use sua conta para hospedar gráficos da web, como logotipos e banners.

 

Não use o Flickr para fins comerciais.

O Flickr é somente para uso pessoal. Se você vender produtos, serviços ou você mesmo por meio da galeria, nós encerraremos a sua conta. Qualquer outro uso comercial do Flickr, das tecnologias do Flickr (incluindo APIs, E-mail do Flickr, etc.) ou das contas do Flickr deve ser aprovado pelo Flickr. Para obter mais informações sobre como alavancar as APIs do Flickr, consulte a nossa página Serviços. Se você tem outra questão pendente sobre uso comercial do Flickr, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco.

   

Secalhar era Sinistra. Só pode. lol

A nudez de maneira peculiar, sem a revelação da identidade humana. Referência: Edward Weston.

XCIX

 

Nunca esqueci, um pouco à margem da cidade,

A casa branca onde morámos pequena mas tranquila;

A Pomona de gesso e a velha Vénus

No meio de ralo arvoredo escondendo sua nudez,

O sol, ao cair da tarde, espumoso e soberbo

Além da vidraça, que seu ímpeto abrandava,

Parecia um olho enorme aberto no curioso céu

A contemplar nossos longos repastos e silêncios -

Distribuindo às braçadas belos reflexos de círio

Pela toalha frugal e pelas cortinas de sarja.

 

Charles Baudelaire, traduzido por Maria Gabriela Llansol

Entre um rosto e um retrato, o real e o abstrato

Entre a loucura e a lucidez,

Entre o uniforme e a nudez

Entre o fim do mundo e o fim do mês

Entre a verdade e o rock inglês

Entre os outros e você...

1 3 4 5 6 7 ••• 79 80