new icn messageflickr-free-ic3d pan white
Untitled (1965) - José Escada (1934 - 1980) | by pedrosimoes7
Back to photostream

Untitled (1965) - José Escada (1934 - 1980)

Centro de Arte Moderna Manuel de Brito (CAMB), Parque Anjos, Algés, Lisbon, Portugal

 

KWY Artists in Manuel de Brito Collection

 

Published on the occasion of the eponymous exhibition at the Serralves Collection from May, 23rd to September, 27th 2015.

 

The KWY Group was formed in Paris around the magazine KWY, published from 1958 to 1964. It included Portuguese artists René Bertholo, Lourdes Castro, António Costa Pinheiro, Gonçalo Duarte, José Escada and João Vieira as well as Bulgarian artist Christo and German artist Jan Voss. Marked by the absence of an artistic manifesto or a strict theoretical programme, the twelve issues of KWY reflected the ongoing artistic and social changes while demonstrating the powerful mergence of reality, everyday events and the visual imaginary of the great cities in the space of art.

By examining the group's publishing activity vis-à-vis collaborations with other magazines of the period (such as Daily-Bul and Sens plastique) and by intersecting these with the paintings, drawings, installations and objects produced by its members, the catalogue adopts a time span wider than the eponymous magazine in order to look at the international context in which ideas circulated and intersections occurred between Portuguese New Figuration, Nouveau Réalisme, Fluxus, Spanish group El Paso and Lettrism. The publication also focuses on the group's collaborations with artists António Areal, François Dufrêne, Raymond Hains, Bernard Heidsieck, Yves Klein and Jorge Martins.

 

Materials : Oil on Canvas

 

BIOGRAPHY (in Wikipedia)

 

Aluno da Escola António Arroio, frequenta, seguidamente, o curso de pintura da Escola de Belas-Artes de Lisboa (que conclúi em 1958) e onde conhece René Bertholo, Gonçalo Duarte, Costa Pinheiro e Lourdes Castro. Liga-se ao Grupo do Café Gelo, no Rossio, em Lisboa, quando partilhava um atelier por cima deste café com João Rodrigues Vieira, René Bertholo e Gonçalo Duarte.

 

Os seus trabalhos iniciais manifestam já algumas das questões centrais da sua obra; são sobretudo desenhos a tinta da china, definidos por linhas de contorno agitadas mas seguras, "em que diversos elementos se sebrepõem e articulam, gerando formas orgânicas"; no início da década de 1960 abandona a figuração, diluindo as formas e enfatizando os contrastes cromáticos e as diversas intensidades lumínicas, numa deslocação que o aproxima do abstracionismo lírico.

 

Em 1959 parte para Paris com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, cidade onde permanece até 1969. Juntamente com Lourdes Castro, René Bertholo, Costa Pinheiro, Gonçalo Duarte, Christo e Jan Voss, funda o grupo KWY.

 

É ao longo destes anos de permanência em Paris que desenvolve o seu vocabulário formal, marcado pela definição de pequenas figuras abstratas e tendencialmente simétricas que se espalham pela superfície da tela, e pelo desejo de articular a sua produção artística com questões de ordem espiritual e metafísica, que "já se tinham manifestado nos meados dos anos 50, quando aderiu ao Movimento de Renovação da Arte Religiosa" .

 

Tal como muitos dos seus companheiros de geração, a obra de Escada localiza-se num espaço de fronteira entre figuração e abstração, estabelecendo diálogos onde a alusão, direta ou indireta ao mundo real, parece estar sempre presente. Para além das pinturas em suportes tradicionais, "o artista materializa as suas pesquisas sobre as formas e sobre a luz, ao criar pinturas-objeto, em papéis coloridos, recortados e dobrados de modo simétrico" onde podem ler-se associações à configuração dos ossos ou da coluna vertebral do corpo humano. Sem título (Relevo espacial), 1974 (coleção do CAMJAP, FCG), é a síntese da sua pesquisa "em torno das relações forma/corpo, luz/sombra. Um enorme conjunto de chapas metálicas recortadas [...] e dispostas em quadrículas irregulares entra pelo espaço e deixa-se invadir pela atmosfera e luz envolventes" .

 

Entre os seus primeiros trabalhos, incluem-se dois murais de grandes dimensões, realizados em 1958 no edifício da Câmara de Comércio de Bissau, sede da Associação Comercial, Industrial e Agrícola da Guiné, do arquitecto Jorge Ferreira Chaves, considerada a mais qualificada realização arquitectónica em Bissau do período colonial .

 

in Diário de Noticias

 

'Um Príncipe Fora do Tempo' é a primeira grande mostra da obra deste renovador da arte portuguesa do século XX e reúne um grande conjunto de obras inéditas. O artista do grupo Gelo e KWY morreu na mendicidade em 1980.

No final dos anos 50 José Escada era aluno das Belas Artes, e dividia com João Vieira , René Bertholo e Lurdes Castro um atelier numas águas furtadas no Rossio. À noite marchavam para o café Gelo onde se reuniam com os poetas Mário Cesariny, Herberto Helder, Manuel de Castro. Em 60 parte para Paris, estuda com Vieira da Silva, assume a sua homossexualidade e inicia uma obra de rutura que levou à ultimas consequencias mentais e físicas. Morreu em 1980.

Mais de 30 anos depois faz-se a primeira grande mostra da sua obra na galeria de S. Roque, em Lisboa. São 95 trabalhos (muitos deles inéditos) que demoraram 10 anos a reunir. Mário Roque, dono da galeria faz da divulgação de Escada uma espécie de missão pessoal: "Porque pintou de menos, porque oferecia os quadros em vez de os vender, porque a vida o enlouqueceu, a verdade é que apesar da sua importância fundamental no panorama da pintura portuguesa da segunda metade do século XX está muito esquecido."

22,971 views
41 faves
18 comments
Taken on March 8, 2016