new icn messageflickr-free-ic3d pan white
Série com o Periquito-de-asa-amarela, Tuim-de-Asa-Amarela, Periquito, Maritaca (Brotogeris chiriri chiriri) - Series with the Yellow-chevroned Parakeet - 15-07-2012 - IMG_1960 | by Flávio Cruvinel Brandão
Back to group

Série com o Periquito-de-asa-amarela, Tuim-de-Asa-Amarela, Periquito, Maritaca (Brotogeris chiriri chiriri) - Series with the Yellow-chevroned Parakeet - 15-07-2012 - IMG_1960

Tuim-de-asa-amarela.

Canary-winged parakeetA.

Tuim-de-asa-amarela, fotografado em Brasília, Brasil (Brazil).

geris versicolorus (Müller, 1776) ou Brotogeris chiriri chiriri - (Yellow-chevroned Parakeet): periquito-de-asa-amarela; canary-winged parakeet

Maritaca fotografada em Brasília, Brasil.

Periquito-de-asa-amarela; canary-winged parakeet.

Brotogeris versicolurus.

1. FICHA DO BICHO:

Nomes vulgares: Periquito-do-encontro-amarelo; Periquito-de-asa-amarela; Periquito-de-asas-amarelas; Periquito-estrela; Cotorra-de-las-amarillas (Espanha); Canary-winged-parakeet ou Yellow-chevroned-parakeet (EUA).

Nome científico: Brotogeris versicolorus chiriri (Vieillot, 1818)

Origem do Nome:"Periquito", origina-se do espanhol, periquillo. O termo designa aves da família dos Psittacidae (Psitacídeos).

Ordem: Aves

Família: Psittacidae (Psitacídeos)

Sub-gamília: Psittacinae

Gênero: Brotogeris spp.

Espécie: Brotogeris versicolorus chiriri (Vieillot, 1818). É uma subespécie do B. versicolorus (P.L.S. Muller, 1776), que pode ser encontrada também, como o nome de Psittacus versicolorus (Muller, 1776). Existem outras espécies como por exemplo, a B. chrysopterus (Tuipara-de-asa-laranja); B. sanctithomae (Tuipara-estrelinha); B. versicolorus (Periquito-de-asa-branca); B. viridissimus (Periquito-verde); B. tirica (Periquito-rei) entre outras. Ver site: www.vidadecao.com.br/cao/index2.asp?menu=curiosidade_peri...

geris versicolorus (Müller, 1776): periquito-de-asa-amarela; canary-winged parakeet

O colorido amarelo da asa, nas coberteiras superiores das rêmiges secundárias, e o amarelo-esverdeado da face ventral das rectrizes permitem a fácil identificação desta espécie. Apesar de ser menos abundante do que B. viridissimus, pode formar com ela bandos mistos. Nos E. U. da América do Norte, entre 1968 e 1974, houve importação de B. versicolorus, principalmente originários do Peru; alguns casais escaparam das gaiolas (ou foram soltos) e reproduziram-se na natureza, compondo atualmente bandos urbanos na Flórida, na Califórnia e em Porto Rico.

Alimentação: frutos, sementes, flores e néctar.

Nidificação: constroem o ninho em cavidades de árvores ou escavados em cupinzeiros arborícolas. Em áreas urbanas podem utilizar também os espaços sob telhas das edificações. Observações feitas em cativeiro mencionam 5 ovos brancos, medindo cerca de 23 x 19 mm e registram 26 dias para o tempo de incubação, que é tarefa da fêmea. Os filhotes deixam o ninho cerca de 8 semanas após o nascimento e são alimentados pelos pais com sementes e frutos regurgitados, mesmo após haverem abandonado o ninho.

Hábitat: campos com vegetação baixa e ilhas de matas intercaladas, bem como matas ciliares e cerradões.

Ver site: bibvirt.futuro.usp.br/especiais/aves_no_campus/f_psittaci...

644 views
0 faves
4 comments
Taken on July 15, 2012