new icn messageflickr-free-ic3d pan white
Macro de uma Gerbera 4 077 - 9 | by Flávio Cruvinel Brandão
Back to group

Macro de uma Gerbera 4 077 - 9

Gerbera L., is a genus of ornamental plants from the sunflower family (Asteraceae). It was named in honour of the German naturalist Traugott Gerber, a friend of Carolus Linnaeus.

It has approximately 30 species in the wild, extending to South America, Africa, Madagascar, and tropical Asia. The first scientific description of a Gerbera was made by J.D. Hooker in Curtis Botanical Magazine in 1889 when he described Gerbera jamesonii, a South African species also known as Transvaal daisy or Barberton Daisy.

Gerbera species bear a large capitulum with striking, 2-lipped ray florets in yellow, orange, white, pink or red colors. The capitulum, which has the appearance of a single flower, is actually composed of hundreds of individual flowers. The morphology of the flowers varies depending on their position in the capitulum.

Gerbera is very popular and widely used as a decorative garden plant or as cut flowers. The domesticated cultivars are mostly a result of a cross between Gerbera jamesonii and another South African species Gerbera viridifolia. The cross is known as Gerbera hybrida. Thousands of cultivars exist. They vary greatly in shape and size. Colours include white, yellow, orange, red, and pink. The centre of the flower is sometimes black. Often the same flower can have petals of several different colours.

Gerbera is commercially important. It is the fifth most important cut flower in the world (after rose, carnation, chrysanthemum, and tulip). It is also used as a model organism in studying flower formation. Gerbera contains naturally occurring coumarin derivatives.

 

Gerbera L., é um género de plantas herbáceas ornamentais pertencente à família das Asteraceae (ou Compostas), a mesma do girassol e das margaridas, cultivada em grandes quantidades pela sua flor muito apreciada em arranjos ornamentais e como planta decorativa de exteriores nas regiões de clima temperado de ambos os hemisférios. Em 1737 o naturalista holandês Jan Frederic Gronovius atribuiu o nome Gerbera ao género, em homenagem a Traugott Gerber, um médico e naturalista alemão que trabalhou na Rússia. O nome vulgar gerbera, ou gérbera, é aplicado indistintamente às espécies do género e às suas flores, as quais são em geral comercializadas sob aquela designação, muitas vezes seguida de uma indicação específica ou varietal (por exemplo gerbera-do-Transvaal, ou gerbera-púrpura).

O género Gerbera inclui cerca de 30 espécies de plantas herbáceas perenes da família das Compostas, dotadas de folhas basais, e flores reunidas em capítulos solitários e multifloros com cerca de 10 cm de diâmetro, intensamente coloridos. O fruto é um aquénio acicular.

As espécies de Gerbera apresentam um grande capítulo, com floretas bi-labíadas de cor amarelo, laranja, branco, rosa ou vermelho. O capítulo, que aparenta ser uma única flor, é na realidade composto (daí o nome ainda utilizado para a família) por centenas de flores individuais, cuja morfologia varia de acordo com a sua posição no conjunto.

O género Gerbera tem grande interesse comercial, sendo a gerbera a quinta flor de corte mais vendida, só sendo ultrapassada em volume pela rosa, o cravo, o crisântemo e a tulipa.

A espécies deste géneros são também utilizadas como organismo experimental em estudos de floração e de desenvolvimento meristemático da flor. As gerberas contém derivados naturais da cumarina com interesse fitoquímico e de controlo biológico.

As gerberas são muito populares e muito utilizadas como plantas decorativas de exterior e para a produção de flores de corte. Os cultivares mais frequentes são os resultantes da hibridização entre a Gerbera jamesonii e a Gerbera viridifolia, outra espécie sul-africana. O híbrido é conhecido por Gerbera hybrida e dele existem alguns milhares de cultivares com grande variabilidade nas características florais, com diferentes tamanhos e formas da flor e com cores que vão do branco ao amarelo, laranja, vermelho, rosa e púrpura. Existem cultivares que produzem flores com o centro negro e com pétalas variegadas.

O género Gerbera ocorre naturalmente na América do Sul, África, Madagáscar e na Ásia tropical. A primeira descrição botânica foi publicada por Joseph Dalton Hooker no Curtis Botanical Magazine de 1889, descrevendo a Gerbera jamesonii, uma espécie sul-africana hoje conhecida por gerbera-do-Transvaal ou margarida-do-Transvaal.

3,801 views
3 faves
8 comments
Taken on February 2, 2007