new icn messageflickr-free-ic3d pan white
Welcome to aboard the S.S. Jeremiah O' Brien | by Agnaldo Pereira Miguel
Back to photostream

Welcome to aboard the S.S. Jeremiah O' Brien

Você sabia que no dia 2 de setembro comemora-se o Dia do Repórter Fotográfico?

 

Vamos brindar a data..Vamos comemorar..e vamos nos perguntar: Sou ou não sou um repórter fotográfico?

 

Cenas desoladoras, meninos pedindo esmola, outros cheirando crack, políticos "brincando" de política, lances de futebol, lágrimas pela desclassificação, detalhes de rostos, violência urbana, acontecimentos sociais, acidentes de autos, barcos que afundam, acidentes no mar; estes são alguns aspectos do dia-a-dia enfrentado pelo repórter fotográfico.

 

O ambiente em que ele trabalha são mostradas pelas fotos que chegam aos jornais, revistas e exposições fotográficas. Pelo Flickr ? Pelo Orkut?

 

O esforço de captar uma imagem que traduza os fatos tem início quando o

pauteiro, aquele que rege suas andanças ou mesmo a sensibilidade do próprio fotógrafo, que obedecendo a um impulso pessoal, busca colocar em prática, em forma de trabalho, aquilo que ele sabe fazer melhor.

 

Numa primeira relação com a reportagem fotográfica no campo social, emerge, no fotógrafo, a necessidade de aprofundar o seu trabalho, de se aproximar das pessoas. A emoção forte de entrar em contato com elas, descobrir seus anseios mais profundos revelados pela intimidade do olhar, muitas vezes, atônitos, clamando por justiça, solidariedade ou até mesmo,

por esperança, tornam o fotógrafo numa testemunha ocular de uma realidade, muitas vezes, conscientemente ignorada pela nossa sociedade.

 

O profissional sabe que cada imagem traduz uma realidade parcial, não

traz todos ingredientes que a compõe. Mesmo um olhar triste ou alegre não dá a dimensão de sua dor ou felicidade, apenas incita. Entretanto para o fotógrafo, os primeiros cliques de sua câmera não escondem a emoção do contato, da descoberta daquelas pessoas simples que, à sua frente, se preocupam com a aparência pessoal e de seus pertences.

 

Não é raro o momento em que o fotógrafo sensibiliza-se com a realidade dura.

 

O contato com o cotidiano torna-se um momento de transformação do próprio fotógrafo.

 

Entre a dualidade de emoções, o repórter fotográfico, pode estar acostumado com as turbulências de uma sociedade instável, mas,certamente, não concorda com

o que registra.

 

Ele não faz história, apenas a registra e a compartilha com seus

semelhantes na tentativa de mostrar com os seus trabalhos o mundo real que cerca a todos.

 

Ser repórter da fotografia é poder cobrir situações do cotidiano e também captar imagens de pessoas que são constantemente marginalizadas devido a

inúmeros fatores – pobreza, cor, regionalismo, aparência etc. São momentos difíceis, mas dolorosamente necessários para que se cumpra a natureza do

seu objetivo: tirar do descaso a falta de solidariedade entre as pessoas.

 

Quando este tipo de imagem é publicado, torna-se eternizada pelo talento do repórter fotográfico. Serve como um ponto de referência para relembrar dos acontecimentos que a envolveram. Por sorte, tocaria os corações daqueles tão distantes – física, financeira, política e emocionalmente – do palco dos tristes

acontecimentos onde eles mesmos são reconhecidos como autores.

 

OBRIGADO AO MEU QUERIDO MESTRE (FOTOGRAFIA) PELO TANTO QUE ME ENSINOU !!!

        

2,010 views
17 faves
11 comments
Taken on February 26, 2010