new icn messageflickr-free-ic3d pan white
<b>Thailand</b> Walking Buddha / Buda a andar Tailândia | by Hugo Carriço
Back to photostream

<b>Thailand</b> Walking Buddha / Buda a andar Tailândia

Indonesia, Japan, Korea, Myanmar, Nepal, Sri Lanka, Thailand, Tibet and Vietnam

 

Website:

www.museudooriente.pt/

www.museudooriente.pt/?lang=en

 

english

 

“On the gods, I can affirm neither that they do exist nor that they do not exist: much prevents the acquisition of such knowledge beginning with the obscurity addressed by the question and followed by the brevity of human life.”

Protagoras (5th century BC)

 

“Gods of Asia” (in contrast to “The Gods of Asia” that would be of ridiculously pretentious scope) is a title that runs of risk of getting mired in equivocation. We are victims of the inappropriateness of a word’s meaning in one language when applied to another and particularly when dealing with the word god. The terms monotheist and polytheist are Western notions that prove rather lacking when considering Hinduism or Taoism. The first Western missionaries reaching Asia referred constantly to idolatry whenever encountering statues in places of worship that seemed strange to them. However, having hardly begun explaining the great Asian religions, we are immediately struck by the sheer similarities that they share with the great Western religions that shock anybody attempting to move on from the prevailing prejudices. The idea of a single God, considered by some to be the great Judaic religious contribution, was already in practice in Asia. The Brahman in Hinduism, the Tao of the Chinese are single, the origin of everything and everything exists in them. It would bizarre for the Hindus and Taoists to depict the almighty as a grizzled old man with a white beard not so much due to the fact that this would be sacrilege, as Islamic believers would hold, but rather because both fall outside the scope of any human understanding and are beyond any means of representation. The concept that “God made man in His image” swiftly becomes “man made God in his image”.

Furthermore, when dealing with Asian religions, there are references to gods when other terms would be used by Western religions. The Hindu gods are, in fact, the diverse manifestations of Brahman acting in the world and only as such susceptible to depiction. The Chinese gods bear a closer relationship with the saints of Christianity. Each serves its own particular function, such as Eloy as patron saint of goldsmiths or Saint Genevieve as the patron saint of Paris, which in the latter case would be known as the goddess of the Parisian earth within a Chinese pantheon.

Some of the similarities existing among all the religions are indeed surprising. The idea of the trinity is central to Hinduism. Given that everything born has to one day die, Brahman becomes creator, conservator and destroyer as reflected in the three manifestations: Brahma, Vishnu and Shiva. Vishnu is incarnate as God was incarnated in Jesus Christ. The Chinese are somewhat more abstract in this area given that their belief system holds that from the Three are born all beings.

Each founder of a religion is inseparable from the surrounding environment in which emerging. Just as the New Testament is not understandable unless its message is situated within the context of the Old Testament, the message of Buddha Shakyamuni was announced within a Hindu society and does not call into question beliefs such as reincarnation or karma. The Taoist religion becomes incomprehensible if stripped of either the Taoist philosophy that preceded it or the beliefs of ancient China.

Another common point is that the original message has been subject to whatever first the disciples or later the faithful decided to do with it given that the founders never actually set it down in writing. Neither Jesus Christ nor Shakyamuni not to mention Zhang Daoling left any written legacy. It was only through witnesses that we gain our awareness of their thinkings and teachings: rather disturbing when considering the general accuracy of such accounts. Just as Jesus Christ would not agree with what Churches have done with his message and in his name down through the centuries, Shakyamuni would not recognise his own thinking in the elaborations of those wishing to spread his message. Many founders of religions sought only to provide an answer to a precise question. Just as Jesus Christ wanted to introduce charity, Shakyamuni wanted to find a means to escape the suffering of existence. Just as Jesus Christ did not call into question the God of the Bible, Shakyamuni made no pronouncement on either Brahman or nirvana to such an extent of stating that Buddhism was a religion without a god.

Despite all that has been written, Judaism, Christianity and Islam are not the only book based religions. Buddhism, Jainism and Taoism are based on texts even if quite different to the Bible or the Koran. As regards the mirabilia spreading all the beliefs on either side of the Urals, it should be remembered that Asian thinkers knew how to distinguish between directly reading texts in order to gain the admiration of crowds and their interpretation at the philosophical or theological level and demonstrating a thorough understanding in the meantime.

We may inquire as to the origins of all these similarities between the world’s great religions. Are they due to the very nature of the human spirit? From a shared human story dating back to the beginnings of history? Factual influences for this, however, appear to be extremely limited even if we may recall that the halos of Western saints derive from the aura of light that is depicted around Buddhas in Asia and the concept of Hell complete with boiling cauldrons and devouring fires also originates in the East (with the difference that in the Orient, Hell is not eternal).

May it be said, as an Indian thinker once wrote, that all men worship the same god under different names? No. While the concept of a single god exists in the Asian religions and accepting that all world religions have undergone sometimes less than inspired revisions running counter to their original content, and that there are particularities common to all, it would certainly be fallacious not to see the differences inherent to each. Taoism provides an explanation of the world but each is free to accept it or otherwise and engages in no form of proselytism. Buddhism seeks to end with suffering in the hope that all men may benefit from its message but without ever becoming an imposition and sought to be tolerant regarding long existing local beliefs given its acceptance that spirits exist within living beings. As regards theological differences, these are only too susceptible to generating interminable debates.

However, this is not the intention of this exhibition nor does it involve presenting the gods of India, Indonesia, Myanmar, Thailand, China, Vietnam, Korea and Japan with a concern to somehow encapsulate the beliefs of others into the content of picturesque or striking images. It is rather more about setting out why they are worthy of the same respect that we provide our own religions.

The exhibition thus seeks to raise awareness about certain aspects of the religious art of Asia, particularly at the popular level, and introduce the still living mythology underlying the objects on display. Hence, all the great religions of the continent are included: Hinduism, Buddhism, Taoism and Shinto. While the Western word “god”, corresponds closest to abstract

Asian concepts such as Brahman in India or Tao in China, the supernatural beings represented here are far more manifestations of the divine in the human world.

 

português

 

“Sobre os deuses, nada posso afirmar, nem que existem nem que não existem: muitas coisas o impedem de saber, a começar pelo lado obscuro que envolve a pergunta, e a seguir pela brevidade da vida humana”

Protágoras (século V a.C.)

 

“Deuses da Ásia” (e não “Os deuses da Ásia”, o que seria uma pretensão ridícula) é um título que corre o risco de gerar grandes equívocos. Somos vítimas da inadequação das palavras de uma língua para a outra, e mais particularmente quando se trata da palavra deus. Os termos monoteísta e politeísta são noções ocidentais muito mal adaptadas quando se trata do hinduísmo ou do taoísmo. Os primeiros missionários ocidentais que chegaram à Ásia falavam dos idólatras sempre que viam em templos estas estátuas que lhes pareciam estranhas. No entanto, mal começamos a informar sobre as grandes religiões asiáticas, são, antes de tudo, as semelhanças com as grandes religiões ocidentais que espantam quem tente abstrair-se dos preconceitos correntes. A ideia do Deus único, que alguns consideram ser a grande contribuição da religião judaica, já vigorava na Ásia. O Brahman do hinduísmo, o Tao dos chineses são o Único, a Origem de tudo, e tudo neles existe. Seria ridículo para os hindus e taoistas verem representados o Brahman ou o Tao sob os traços de um ancião de barba branca, não tanto pelo facto que isto possa ser um sacrilégio, como o pensam os islamitas, mas porque tanto um como o outro escapam ao entendimento humano e situam-se para além de qualquer forma. A ideia de que “Deus fez o homem à sua imagem” transforma-se rapidamente em “o homem fez Deus à sua imagem”. Mas quando se trata de religiões asiáticas, fala-se de deuses quando no Ocidente utilizar-se-ia um outro termo. Os deuses hinduístas são, de facto, manifestações diversas do Brahman actuando no mundo e como tais podem ser representados. Os deuses chineses são mais aparentados aos santos do cristianismo. Cada um deles tem uma função, como Santo Elói é o patrono dos ourives ou Santa Genoveva é a padroeira de Paris, que neste caso, para os chineses, seria conhecida como deusa do Solo de Paris.

Algumas das semelhanças que existem entre todas as religiões são surpreendentes. A ideia da trindade é central no hinduísmo. Visto que tudo o que nasce tem que morrer, o Brahman manifesta-se enquanto criador, conservador e destruidor, o que se traduz pelas suas três manifestações, Brahma, Vishnu e Shiva. Vishnu incarna-se como Deus se incarnou em Jesus Cristo. Os chineses são mais abstractos nesta matéria, já que para eles é do Três que nascem todos os seres.

Cada fundador de religião é inseparável do meio em que apareceu. Tal como o Novo Testamento não é compreensível se a sua mensagem não for situada no contexto do Antigo Testamento, a mensagem do Buda Shakyamuni foi anunciada numa sociedade hinduísta e não põe em causa a crença nas reincarnações e no karma. A religião taoista torna-se incompreensível se for omitida a filosofia taoista que a precedeu e as crenças da antiguidade chinesa.

Um outro ponto comum é que a mensagem original é vítima do que fizeram dela os discípulos ou sobretudo depois, os fiéis, já que os fundadores nunca escreveram uma linha. Nem Jesus Cristo, nem Shakyamuni, nem Zhang Daoling deixaram algum escrito. Foi somente por testemunhos que se pôde conhecer o seu pensamento, o que não deixa de ser assustador quando nos lembramos do que estes valem. Tal como Jesus Cristo não concordaria com o que as Igrejas, ao longo dos séculos, fizeram com a sua mensagem, Shakyamuni não reconheceria o seu pensamento nas elaborações dos que quiseram divulgar o seu contributo. Muitos fundadores de religiões quiseram fornecer apenas uma resposta a uma pergunta precisa. Tal como Jesus Cristo quis introduzir a misericórdia. Shakyamuni quis encontrar uma via para escapar aos sofrimentos da existência. Tal como Jesus Cristo não pôs em causa o Deus da Bíblia, Shakyamuni não se pronunciou sobre o Brahman ou o nirvana, de tal maneira que chegou a dizer-se que o budismo era uma religião sem deus.

Apesar do que se escreveu, o judaísmo, o cristianismo e o Islão não são as únicas religiões do livro. O budismo, o jainismo e o taoísmo têm como base textos que nada devem aos da Bíblia ou do Corão. Quanto às mirabilia que espalham todas as crenças de cada lado dos Urais, é preciso reconhecer que os pensadores asiáticos souberam distinguir entre uma leitura dos textos ao primeiro grau, que suscita a admiração das multidões, e a sua interpretação a um nível filosófico ou teológico, para que seja entendido o sentido profundo.

Donde vêm as semelhanças entre todas as grandes religiões? Da natureza própria do espírito humano? De uma história comum da humanidade que remonta à origem dos tempos? As influências factuais parecem ser, no entanto, limitadas, mesmo que se lembre que a auréola dos nossos santos provém da aura de luz que se põe à volta dos Budas na Ásia e que a ideia do Inferno, com os seus caldeirões fumegantes e os seus fogos devoradores são originários também do Oriente (com a diferença que no Oriente o Inferno não é eterno).

Pode-se dizer, como o escreveu um pensador indiano, que todos os homens veneram o mesmo deus sob nomes diferentes? Não. Se o conceito de um deus único existe nas religiões asiáticas e já que todas as religiões do mundo conheceram reveses por vezes pouco brilhantes e contrárias ao seu pensamento original, e que algumas particularidades se encontram em todas, seria falacioso não ver as diferenças próprias de cada uma. O taoísmo fornece uma explicação do mundo, mas cada um é livre de poder aceitá-la ou não e não desenvolve nenhum tipo de proselitismo. O budismo procura apagar o sofrimento, esperando que todos os homens possam usufruir da sua mensagem, mas sem a impor, e quis-se tolerante no que toca às crenças locais antigas, visto que admite a existência de espíritos no meio dos seres. No que toca às diferenças teológicas, estas poderiam dar lugar a debates intermináveis.

Mas não é esta a intenção da exposição. Nem tão pouco apresentar deuses da Índia, da Indonésia, de Mianmar, da Tailândia, da China, do Vietname, da Coreia e do Japão com a preocupação de limitar as crenças dos outros ao conteúdo de imagens pitorescas ou belas, mas sim de mostrar que elas merecem o mesmo respeito que nós prestamos às nossas.

A exposição procura, isso sim, tornar conhecidos certos aspectos da arte religiosa na Ásia, sobretudo ao nível popular, e introduzir a mitologia ainda viva que está subjacente aos objectos apresentados. Daí estarem representadas as grandes religiões do continente, o hinduísmo, o budismo, o taoísmo, o shintô. Uma vez que a palavra ocidental “deus”, corresponde mais a conceitos asiáticos abstractos como Brama, na Índia, e Tao, na China, os seres sobrenaturais representados são muito mais manifestações do divino no mundo humano.

  

_______________________________________________________-

english

The Museum of the Orient (Portuguese: Museu do Oriente) in Lisbon, Portugal celebrates the history of Portuguese exploration with a collection of Asian artifacts. The museum opened in May, 2008, and is located in a refurbished industrial building on the Alcântara waterfront. The collection includes Indonesian textiles, Japanese screens, antique snuff bottles, crucifixes made in Asia for Western export, and the Kwok On Collection of masks, costumes, and accessories.

português

O Museu do Oriente está instalado no edifício Pedro Álvares Cabral, antigos armazéns da Comissão Reguladora do Comércio do Bacalhau em Alcântara, Lisboa.

O museu reúne colecções que têm o Oriente como temática principal, nas vertentes histórica, religiosa, antropológica e artística.

A exposição permanente engloba 1400 peças alusivas à presença portuguesa na Ásia e 650 peças pertencentes à colecção Kwok On.

O museu é da responsabilidade da Fundação Oriente e foi inaugurado no dia 8 de Maio de 2008.

A actual directora é Maria Manuela d'Oliveira Martins.

Foi classificado como Monumento de interesse público (MIP) pelo IGESPAR em 15 de junho de 2010.

 

3,501 views
0 faves
3 comments
Taken on July 31, 2011