new icn messageflickr-free-ic3d pan white

Babylon, Iraq

From Panoramio

Atual

 

Os tijolos usados pelos judeus para edificações eram geralmente secos ao sol, havendo também tijolos cozidos ao fogo para os lugares úmidos e pantanosos, e também para ornamentação. A arte de fabricar tijolos já era conhecida no tempo da construção da torre de Babel (Gn 11.3). E os israelitas a aprenderam durante o tempo que foram obrigados a trabalhar para os egípcios (Êx 1.14). A pedra tinha de ir buscar-se a grande distância, mas o barro para o tijolo estava perto, e era abundante. Desta forma a fabricação de tijolos, os secos ao sol e os cozidos no forno, chegou a ser uma aperfeiçoada arte do Egito: e quando os governadores egípcios tiveram entre eles uma grande população de escravos estrangeiros, nada mais esperável do que obrigar esses indivíduos a fabricar tijolos. os sofrimentos dos hebreus nesse trabalho duro, segundo a narração do Êxodo, são inteiramente provados por meio de esculturas nos monumentos. Ali se vê representado muitas vezes o intendente das obras com a sua vara. Era costume empregar palha cortada, caniços, e quaisquer refugos fibrosos, para darem consistência ao lodo do Nilo usado na fabricação dos tijolos, que iam secar ao sol. Sabemos pelas palavras do Êxodo (5.18) que os egípcios tornaram mais pesado o trabalho dos hebreus, recusando-lhes o fornecimento da necessária palha cortada. Deste modo foram eles compelidos a procurar nos campos e em várias herdades a palha para os tijolos. Pode-se imaginar quão grande apoquentação era a sua, visto como tinham de apresentar o mesmo número de tijolos que fabricavam antes. Esses tijolos tinham mais ou menos o dobro do tamanho daqueles que atualmente se usam. Em cada tijolo, dos empregados nos edifícios públicos, estava gravado o nome do rei, e algumas vezes o nome das casas para as quais eram destinados. A Babilônia, semelhantemente ao Egito, era um país sem pedras, Foi muito provavelmente ali que se exerceu, em primeiro lugar, a arte de fabricar tijolos - e as ruínas de numerosos edifícios, que têm sido examinadas, atestam a inteligência e o gosto dos tijoleiros babilônicos. A maioria dos tijolos encontrados têm o nome do rei Nabucodonosor. A muitos deles pode mais apropriadamente dar-se o nome de ladrilhos (Ez 4.1), pois que eram decorados e esmaltados. As ruínas de Nínive têm, também, proporcionado aos estudiosos muitos ladrilhos de esmalte belo. os fornos de cozer o tijolo eram usados no Egito, mas os tijolos eram menores do que os secados ao sol, variando estes últimos entre 25 a 30 centímetros de comprimento, 15 a 23 de largura, e 7,5 a 18 de espessura. Jeremias menciona um destes fornos (Jr 43.9) do Egito, e pelas palavras de 2 Sm 12.31 se vê que também os havia na Palestina no tempo de Davi. E isaías (65.3) se queixa de que o povo edifique altares de tijolo em vez de empregar a pedra tosca, como pedia a lei (Êx 20.25).

7,939 views
7 faves
2 comments
Taken on November 6, 2007