MAFRA
Município litoral português, pertencente ao distrito de Lisboa, compreendendo 17 freguesias (Azueira, Carvoeira, Cheleiros, Encarnação, Enxara do Bispo, Ericeira, Gradil, Igreja Nova, Mafra, Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés, Santo Isidoro, São Miguel de Alcainça, Sobral da Abelheira, Venda do Pinheiro e Vila Franca do Rosário). Em termos demográficos, a população, em 1991, era constituída por cerca de 43 700 residentes para uma área bruta de 291 km2 e a variação da população residente entre 1960 e 1991 foi de 22%. O município pertence à Área Metropolitana de Lisboa.
A economia municipal assenta na pesca, agro-pecuária, comércio retalhista, indústria alimentar, turismo (restauração e hotelaria), destacando-se ainda o papel da administração local.

( ESTE SET CONTÉM 3 PÁGINAS

THIS SET CONTAINS 3 PAGES )


Localizada a noroeste da capital Lisboa, a vila de Mafra é sede de município e registava uma população de cerca de 5500 residentes em 1991.
património
O património edificado mais importante inclui o imponente convento de Mafra (do século XVIII), a igreja de Santo André (com data de fundação indeterminada, apresenta dois sarcófagos medievais), a igreja de Cheleiros (gótica, com capela-mor manuelina), o pelourinho (manuelino, restaurado), a capela de Santo António (com azulejos setecentistas), na Ericeira, e a igreja de São Miguel, na Malveira. O litoral atlântico constitui o elemento mais significativo do património natural.
história
O povoamento remonta a épocas entre a Idade da Pedra e a do Bronze. Aqui se fixaram povos luso-romanos e os mouros.
Reconquistada por D. Afonso Henriques, em 1147, é uma das mais antigas vilas do nosso país — já assim é referida em documentos de 1189. Em 1513 recebeu foral outorgado por D. Manuel I.
Ex-libris da vila, o convento foi mandado construir por D. João V, no cumprimento de um voto a Deus para lhe conceder filhos (1711). Os trabalhos foram iniciados em 1728 — chegaram a ocupar mais de 50 mil operários e foram considerados acabados em 1744; vários pormenores foram sendo executados ao longo do século XVIII — por exemplo, a decoração interna só foi iniciada em 1796.
Em 1910, quando da implantação da República, foi da Ericeira que a família real partiu para o exílio.
464 photos · 1 video · 29,753 views
1 3 4 5